O Enem foi protagonista na estratégia de captação de alunos nos últimos anos, mas adiamento dos resultados modificou o cenário educacional.

Nesta mesma época no ano passado, era muito difícil alguém imaginar que a vida humana em todo o planeta passaria por mudanças tão substanciais de uma hora para a outra.

Com a disseminação do novo coronavírus pelos continentes, entraram em nosso cotidiano as máscaras e o distanciamento entre as pessoas. O álcool em gel virou item obrigatório. As salas de aula (aquelas com cadeiras, lousa, giz) ficaram vazias e se transformaram em ambientes digitais.

O impacto da Covid-19 nos setores econômicos obrigou todo mundo a se reorganizar e repensar o modo de realizar negócios. O ambiente não é mais o mesmo e as condições normais de calendário também foram alteradas. Com o setor educacional, não foi diferente. Os gestores, agora, precisam redesenhar suas Captações 2021 conforme as novas regras do jogo. Usamos esta analogia de “jogo” pois o próximo ano será como uma partida de xadrez. Será preciso investir em novas estratégias e observar as movimentações de cada peça, seja ela um simples peão ou a Rainha, para dar um xeque-mate na hora certa e sair vitorioso.

 

O adiamento do Enem e o impacto no calendário

Após um longo período de instabilidade na gestão do Ministério da Educação, os ventos parecem ter se acalmado um pouco com a posse do ministro Milton Ribeiro. Após muitas discussões e até mesmo uma enquete digital com os estudantes, o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) foi adiado de novembro para janeiro de 2021.

Isso jogou boa parte do tradicional calendário de vestibulares para frente. Mas universidades públicas, como USP, Unicamp e UNESP, não irão esperar os resultados da prova, previstos para de 29 de março, e alteraram a forma de uso do ENEM para ingresso. Já algumas universidades particulares investirão em vestibulares digitais ou aceitarão notas dos exames dos anos anteriores.

Um levantamento do Quero Bolsa, publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, mostra que o número de IES que usam o Enem como processo seletivo subiu de 1.289 para 1.622 entre 2015 e 2019, atingindo 62% das instituições do país. Deste número, 1.469 são faculdades privadas.

Isso prova como o ENEM é importante para grande parte das instituições de ensino do país. Por ser uma prova consolidada e realizada por um grande número de estudantes, o exame facilitou processos e foi uma importante forma de captar alunos sem precisar realizar um novo vestibular.Mas muitas IES não podem ficar dependentes do resultado final das notas do próximo ENEM, afinal, deixar para captar alunos apenas em abril do próximo ano pode ser tarde demais.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, apresenta detalhes da força-tarefa aplicada para avaliação do resultado do Enem

 

Os caminhos alternativos ao ENEM

O impacto do adiamento do ENEM nas Captações 2021 já preocupa a Associação Brasileira das Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes). A organização diz que em 2021 pode haver uma queda de até 20% na base total de matrículas, e busca conversar com o MEC para alterar as regras do ProUni.

Portanto, as IES precisam apostar na diversidade de alternativas para atrair novos alunos se quiserem obter resultados satisfatórios. Este é um horizonte que já existia, mas que agora precisará ser expandido.

 

Nota dos anos anteriores

A metodologia utilizada no ENEM é o TRI (Teoria de Resposta ao Item). Ela permite que a dificuldade da prova seja representada de forma semelhante nas notas mesmo com provas diferentes. Portanto, não há impeditivo em utilizar os resultados dos anos anteriores para um processo em 2021.

É preciso ressaltar que muitos estudantes não obtiveram notas consideradas altas e talvez não queiram utilizar provas anteriores para ingresso. Há também os estudantes que nunca realizaram o ENEM, ou fariam a prova pela primeira vez neste ano. Os cenários de captação precisam apresentar alternativas para estes dois públicos.

Defina o quanto você deseja captar

Vestibular próprio

É fato que a nota do ENEM ajudou no processo de substituição do vestibular próprio em muitas instituições de ensino. Afinal, a ação poupava o aluno de fazer mais uma prova e também diminuía custos logísticos

Entretanto, a realização de provas é uma estratégia que demanda cuidado. A pandemia causou aos estudantes um efeito negativo de desânimo e cansaço. Muitos tiveram dificuldades para se adaptar ao ensino remoto e não conseguiram manter o ritmo de estudos.

A disposição para participar de provas e processos presenciais não é garantida e há o indicativo de que os alunos não terão confiança suficiente para situações burocráticas e exaustivas. Esta é uma variável que precisará ser discutida nos planos de marketing para atrair os estudantes. Em 2021, com a tendência de digitalização do vestibular, algumas universidades já apostam em um novo modelo.

Aplicativo de Celular ENEM 2019

Admissão digital

O processo de Admissão Digital, um dos serviços oferecidos pela Quero Educação, pode ser um grande aliado na sua estratégia de captação.

Em um cenário onde a jornada do aluno até a matrícula precisa ser facilitada para que ele não desista do processo, a Quero oferece uma plataforma reconhecida pelo setor educacional brasileiro e por milhões de usuários como moderna e intuitiva. Confira alguns benefícios:

 

  • Processo disponível 24h por dia, 7 dias por semana.
  • Aumento no alcance e na diversidade do público-alvo.
  • Sem filas e com menos burocracia.
  • Armazenamento de documentação totalmente digital.
  • Processo seguro e com técnicas para conferir a autenticidade do participante.
  • Acompanhamento do aluno, da busca pelo curso até a matrícula.
  • Redução de custos, pois não é necessário criar e gerenciar uma plataforma do zero.

 

IES que já utilizam os serviços de Admissão Digital viram sua base de alunos formados aumentar em até 50%. Convidamos você a conhecer melhor como essa parceria pode ser aplicada na sua captação de alunos e a conversar com um dos nossos consultores.

 

 

 

Flávio Rabelo
por Flávio Rabelo